kaosenlared.net

sehansuscrito163  quedan837 Objetivo 1000 suscriptor@s! 
11 Feb 2012

Brasil:novos bad-guys ou “A Revolução dos Bichos” Destacado

Escrito por  Márcia Denser*
Valora este artículo
(0 votos)
“A Revolução dos Bichos” “A Revolução dos Bichos”
“Uma eventual aliança PT/Kassab nos remete inevitavelmente a George Orwell e ao final de ‘A Revolução dos Bichos’: “E olhou alternadamente para homens e porcos (…) e não viu nenhuma diferença entre um e outro.”

Os novos bad-guys

Márcia Denser*

Os EUA são mestres em inventá-los: de dez anos para cá – e tomo os filmes de Hollywood como testemunha –

 1) devido à consolidação da indistinção política entre democratas e republicados;

2) ao envelhecimento das bandeiras neoconservadoras, tais como a cruzada anti-muçulmana, o “renascer do patriotismo”, o “moralismo religioso texano-americano”, sem contar o próprio “terrorismo” como pretexto neo-imperialista – o “bandido”se materializa na figura do vice-presidente, tendo Dick Cheney, vice de Bush, que “absolutamente não via diferença entre interesses públicos e privados”, como parâmetro e inspiração.

Ainda que a famosa proporção – 99% de pobres para 1% de ricos, detentores da riqueza global – não tenha se alterado sequer milimetricamente.

Voltando à questão dos vices: os exemplos na filmografia, nos quais não vou me alongar, abundam, citando apenas o recentíssimo “Red” (“Aposentados e Perigosos”), concentrando na figura de extrema direita, autoritária, implacável, corporatista, anti-políticas sociais,etc., o Inimigo – que, por sua vez, concentraria o Ódio Coletivo –, enquanto o presidente se manteria intocável, incólume, imaculado e de touca (como se isto fosse possível), uma Entidade Benigna Onipresente – ou pós-Deus-ex-machina – ao qual “seria possível recorrer em caso extremo”( outra besteira não menos extrema).

O próprio Brasil de Dilma não é exceção ou o vice-Michel Temer é o quê?

Além do nosso bad-guy de plantão?

Conquanto, para muitos, a exemplo do meu querido Luís Nassif, a estratégia política de Dilma tenha sido tão eficiente a ponto de haver deixado o quadro político nacional praticamente “sem oposição”. Diz ele que “se Lula foi uma espécie de Pelé da política brasileira contemporânea, Dilma Rousseff tem se revelado um Coutinho.”

Ele tenta explicar o atual dilema da oposição, lembrando o Brasil pós-Sarney, onde as idéias políticas quase sempre acompanharam, com alguma defasagem, as grandes ondas internacionais. A Constituição de 1988 foi o grande documento a sinalizar os novos valores que acompanhariam o país nos anos posteriores. Uma das ideias-força foi a descentralização, revertendo o pesado espólio do regime militar; outra, a questão da cidadania, das políticas sociais, da universalização dos direitos civis, do renascimento da sociedade civil.

FHC empunhou a bandeira da modernização, mas jogou-a fora na crise do câmbio em 1999 e no apagão, que novamente foi assumida por Lula. Na década que marcou o ressurgimento da sociedade civil brasileira, o PSDB fugiu do povo.

Nassif:

“Beneficiado pela explosão dos preços internacionais de commodities, Lula conseguiu atender a todos os setores da economia e deixar de herança a explosão do mercado de consumo de massa. Trouxe o PT para perto do centro e tornou-o o primeiro partido socialdemocrata brasileiro no estilo europeu – porque casando bandeiras sociais com alianças econômicas e, principalmente, com participação popular através dos sindicatos e movimentos sociais. Tirou do PSDB sua bandeira.”

Sem bandeira, restou à oposição o discurso da negação: apontar as vulnerabilidades do governo Lula. A partir daí, poderia juntar os cacos e se preparar para as próximas eleições, desde que conseguisse mostrar o contraponto na sua principal vitrine: São Paulo.

Ainda segundo Nassif, aí entra a habilidade de Dilma:

 “1.Gestão. Há anos aponta-se a ineficiência do Estado e exige-se melhoria na gestão. O governo Dilma instituiu a Câmara de Gestão, definiu maneiras gerenciais de trabalhar o PPA (Plano Plurianual), montou sistemas de monitoramento online nos ministérios e conseguiu a consultoria da maior bandeira brasileira de gestão, o empresário Jorge Gerdau. Com exceção de Minas, nenhum outro estado tucano conseguiu implementar práticas gerenciais modernas.

2. Aparelhamento da máquina. Ponto sensível das críticas à Lula. No primeiro ano do governo Dilma, sete ministros caíram e a força política que herdou do seu padrinho tem permitido enquadrar os aliados.

3. Conflitos com a mídia. Desde o primeiro dia Dilma praticamente desarmou os antigos críticos.”

E conclui: “A essência do governo Dilma não mudou em relação ao governo Lula. Mas ela conseguiu esvaziar praticamente todas as bandeiras da oposição. Não é à toa que chega ao final do primeiro ano com índices de popularidade recorde enquanto, na outra ponta, o PSDB se desmancha. A única esperança do PSDB seria o governador Geraldo Alckmin montar uma gestão inesquecível, eficiente. Se depender do que foi mostrado até agora, o país caminha para um quadro politicamente delicado: um governo sem oposição.”

Inesperadamente, após tantos elogios, a questão retorna (“lacanianamente: o retorno do reprimido?”) – incontornável e indigerível – (editorial de Carta Maior de 8/2): como enfiar um Kassab na nave eleitoral do PT em Sampa, isto é, na vitrine principal apontada por Nassif?

Aliás, como definir a abrangência duma frente política?

Até onde é possível ampliá-la sem reduzir diferenças históricas a ilusões?

O dilema não é novo na trajetória da esquerda e já rendeu frutos desastrosos na forma de rendição ou isolamento. O assunto volta com força na campanha municipal de São Paulo, onde o PT debate a hipótese de uma aliança com o PSD, do atual prefeito Gilberto Kassab, que indicaria o vice na chapa encabeçada pelo ex-ministro Fernando Haddad.

Derrotar o PSDB em São Paulo era uma meta importante– aliás, para muitos, como Nassif – ele já estaria derrotado. E, nesse caso, a aliança PT/Kassab, pupilo de Bornhausen, não teria sentido, pois significaria a inclusão da extrema- direita – extrema direita espertamente enrustida sob a “demonologia do embaço” incolor, inodora, insípida e auto-autista kassabiana e seu bom-mocismo de araque e à guisa de contramedidas que são “a alegria da galera hiper-neo-con paulistana” – tornando o vatapá literalmente indigerível.

E inevitavelmente nos remetendo a George Orwell e ao final de “A Revolução dos Bichos” – espécie de alegoria antológica, que virou bizantina, da disputa entre stalinistas e trotkystas:

“E olhou alternadamente para homens e porcos, porcos e homens, e não viu nenhuma diferença entre um e outro.”

Afinal, com esse tipo de amigos, quem precisa de inimigos? Vice-presidente incluído

 Márcia Denser, no Congresso em Foco

* A escritora paulistana Márcia Denser publicou, entre outros, Tango fantasma (1977), O animal dos motéis (1981), Exercícios para o pecado (1984), Diana caçadora/Tango Fantasma (Global,1986, Ateliê, 2003,2010, 2a.edição), A ponte das estrelas (Best-Seller,1990), Caim (Record, 2006), Toda prosa II - obra escolhida (Record, 2008). É traduzida em nove países e em dez línguas: Alemanha, Argentina, Angola, Bulgária, Estados Unidos, Espanha (catalão e galaico-português),Holanda, Hungria e Suíça. Dois de seus contos - "O vampiro da Alameda Casabranca" e "Hell's Angel" - foram incluídos nos Cem melhores contos brasileiros do século, organizado por Ítalo Moriconi, sendo que "Hell's Angel" está também entre os Cem melhores contos eróticos universais. Mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP, é pesquisadora de literatura e jornalista. Foi curadora de literatura da Biblioteca Sérgio Milliet em São Paulo.

Modificado por última vez en Sábado, 11 Febrero 2012 12:51

You have no rights to post comments