kaosenlared

Anuncio
sehansuscrito162  quedan838 Objetivo 1000 suscriptor@s! 
30 Abr 2012

Brasil: 1ºCongresso Nacional da CSP-Conlutas Destacado

por DIEGO CRUZ
Lunes, 30 de Abril de 2012 13:09
Brasil: 1ºCongresso Nacional da CSP-Conlutas 1ºCongresso Nacional da CSP-Conlutas
Com o tema ‘Ditadura Militar, anistia política e direito de organização de base” o 1ºCongresso Nacional da CSP-Conlutas pede punição aos crimes da ditadura e reparação aos perseguidos políticos. O papel da classe operária.

 

Um dia cansativo não desanimou os participantes do Congresso da CSP-Conlutas para o ato que ocorreu na noite desse 28 de abril no auditório principal da Estância Árvore da Vida. Com o tema ‘Ditadura Militar, anistia política e direito de organização de base”, centenas de participantes assistiram ao ato público que, mais do que uma denúncia ao regime militar, serviu como verdadeiro resgate histórico da luta movimento sindical e popular.

A mesa do ato, no lugar de uma ou duas personalidades, foi composta simbolicamente por diversos perseguidos políticos da ditadura militar. Mais precisamente militantes que atuavam no movimento sindical e que foram presos e demitidos de forma arbitrária. A maioria ali da então corrente Convergência Socialista, antecessora do PSTU e que movem hoje uma campanha por reparação. “Aqui não se trata tão somente de uma questão de memória, mas também de verdade e Justiça” , afirmou Aderson Bussinger, advogado e membro da Comissão de Direitos Humanos da OAB-RJ.

Bussinger lembrou que as torturas e a perseguição política não ficaram no passado, mas fazem parte do presente. ”Sabemos que existe tortura nas delegacias, perseguição a ativistas políticos, então essa não é uma questão só de passado, mas se refere também ao presente, e de futuro, para que esse tipo de coisa não se repita” disse.

O papel da classe operária

Um dos objetivos do ato foi o de resgatar o protagonismo da classe trabalhadora na luta contra a ditadura. “Na recuperação da memória da luta contra a ditadura, muito se fala da luta armada, da resistência cultural, do movimento estudantil, mas pouco ou quase nada do movimento sindical ou popular”, afirmou o ex-presidente do MOMSP (Movimento de Oposição Sindical dos Metalúrgicos de São Paulo), Sebastião Neto.

Neto tem papel destacado na investigação histórica e conscientização das novas gerações sobre o período da ditadura e a resistência operária. A classe trabalhadora, uma das protagonistas da queda do regime militar, foi também um dos setores que mais sofreram com a repressão “Dos mais de 9500 pedidos de anistia que tínhamos na Comissão de Anistia, mais de três mil eram de trabalhadores filiados a sindicatos, porque a primeira vítima da ditadura foram os trabalhadores” , atestou ao público Egmar Santos, vice-presidente da Comissão de Anistia do Ministério da Justiça.

Uma história, porém, que poucos conhecem. “É muito importante aprender com a história, mas para isso temos primeiro que conhecer essa história” , destacou Zé Maria, preso e torturado durante a ditadura. Coincidentemente, esse dia 28 marcava exatamente o aniversário de 35 anos da primeira prisão de Zé e a então militante Márcia Basseto.

Repressão ontem e hoje

Maria Salay, ex-dirigente metalúrgica em Santo André, também presente no ato, fez um relato emocionante sobre as dificuldades da atuação sindical durante o período. “E o pior, é que a ditadura dentro das fábricas ainda não terminou” , sentenciou.

Se a repressão dos tempos da ditadura ainda não acabou por completo, seus mandantes também permanecem livres e impunes. “Temos que levar os torturadores aos bancos dos réus, mas principalmente os mandantes, as pessoas a quem serviam tais crimes” , opinou Sebastião Neto. “Eles serviam aos interesses das multinacionais, aos governantes, à burguesia” , denunciou.

O deputado estadual de São Paulo Adriano Diogo (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos e da Pessoa Humana da Assembleia Legislativa, relatou o apoio das empresas à ditadura. “A GM, por exemplo, forneceu todos os veículos que a repressão precisava”, relatou o deputado, que lembrou a violência recente sofrida pelos moradores do Pinheirinho. "A perseguição sofrida por essa central e pelo PSTU é a mesma que nós sofremos na ditadura militar", opinou.

“Os financiadores de ontem e de hoje daqueles que matam e perseguem ativistas políticos são os mesmos” , afirmou Zé Maria. “Temos que saldar essa dívida e para nós ela é muito importante”.

O dirigente da CSP-Conlutas afirmou ainda que “a luta pela punição aos crimes da ditadura não é secundária, mas complementar, na medida em que politiza nossas lutas cotidianas” .

Ultima modificacion el Lunes, 30 de Abril de 2012 14:03


Si quieres contribuir a que Kaos en la Red pueda seguir publicando artículos como este, puedes hacer tu donación en:
Paypal (seguro y permite diferentes formas de pago)
Microdonación de 2 euros
Donación de importe libre

También te puedes suscribir y ayudar a que tengamos un presupuesto anual estable pinchando en:
Paypal (seguro y permite diferentes formas de pago)
Suscripción 36 Euros
Suscripción 50 Euros
Más información sobre la suscripción: Aquí


blog comments powered by Disqus
Logueate en la parte de arriba o registrate para comentar.
Anuncio
Anuncio